25 de jun de 2012

Lembrancinhas de maternidade

É claro que, nos últimos meses, muitas ideias de lembrancinhas de maternidade passaram pela minha cabeça. Fiquei me recordando de tudo de bacana e fofo que já ganhei e dei até uma vasculhada nas gavetas para resgatar algumas delas. Há algum tempo fiz aqui um post com 8 dicas de lembrancinhas, onde reuni ideias de lembrancinhas comestíveis, que podem ser distribuídas na maternidade, chá de bebê ou em festinhas. Desta vez, selecionei chaveirinhos, sachês, bichinhos e badulaques. Para as mães prendadas reproduzirem em casa ou contratar alguém prendada para fazer.
Esta não é a lembrancinha da Anita, mas bem que poderia ser. Com os retalhos dos tecidos do enxoval da Anita, a Rosa, que confeccionou o enxoval, fez estes sachês de maçãs lindinhos para me dar de presente. Ficou tão lindo e delicado! Reparem no botão no bumbum da maçã, um charme. As maçãs não serão a lembrancinha, mas estarão na decoração do quarto, claro.
quarto da Lorena bebê tinha como tema passarinhos e, de lembrancinha, pedi para a Marisa, uma artesã da minha cidade, fazer esses pingentes. A ideia eu tirei de um site gringo (molde aqui) e eles foram feitos em diversas estampas. Em cada um, o nome da Lorena.
ursinho do dente esteve recentemente por aqui e foi feito pela Andrea para presentear os filhos dos primos. Mas achei tão fofo, ainda mais por ele ser personalizado, que também acabei listando-o. Dá para fazer lembrancinhas apenas para as crianças, sobrinhos e filhos dos amigos. Ou bordar o nome do bebê em todos eles.
Esta não é oficialmente a lembrancinha do JP, mas o carneirinho era bem parecido com este que ganhei de presente quando estava grávida da Lola. Mas, em vez de gravetos para as patinhas, os carneiros do Jota, também feitos em pelúcia, tinham pauzinhos de canela. Uma graça.
Mais um carneirinho na área. Este carneiro menina é da Júlia, filha da minha comadre Lygia. O modelo frontal fofo foi comprado pela internet.
A Marisa, que fez os passarinhos da Lola, fez este leão em diferentes estampas para a lembrancinha de nascimento do Enzo, o meu vizinho lindo.

22 de jun de 2012

Como montar uma parede de quadros

Faz anos que se acumulavam em casa quadros recostados na parede. A cada viagem, a cada lojinha de museu, a cada pôster bacana de camelô, a cada exposição visitada, a coleção aumentava. A ideia sempre foi fazer com todos eles uma parede de quadros, mas parecia que nosso mosaico nunca estava completo. Sem pressa, ao desfazer as malas, enquadrava os pôsteres e tentava finalizar o quebra-cabeça - ou ao menos começá-lo.
Depois da última viagem, somamos sete quadros e não havia mais lugar para encostar os quadros. Foi aí que passamos algumas horas para começar nosso mosaico. Tentamos várias técnicas, mas a melhor delas foi cortar papel pardo do tamanho dos quadros e reproduzir na parede o desenho que pareceu simpático no chão. Nossa escolha foi alinhar os quadros por uma linha imaginária pela base.
Os quadros de papel ficaram alguns dias colados na parede, para a neura aqui ver se aquela era mesmo a posição. A partir destes sete quadros, agora pendurados, vamos continuar nosso mural de memórias e, quem sabe, incluir nele alguns objetos. Nesta parede, que começa na sala e termina no meu quarto, quero seguir com pôsteres e também com fotografias. Mas tudo sem pressa.
Para deixar a coleção mais harmônica, eu, iniciante, sempre optei por molduras neutras, em sua maioria em tons de madeira. Os quadros também têm temas comuns. Nesta coleção, além de mapas antigos de algumas cidades, como Londres e Paris, temos a planta da Torre de Pisa, o mural de azulejos do Alcazar de Sevilha, um pôster de Escher, artista que o marido adora e, para finalizar, um jogo americano de papel de um restaurante de Montalcino, que é especial para nós. Enfim, tudo pode ser enquadrado - e trazer boas recordações.

21 de jun de 2012

Para furar a parede sem (muita) sujeira

Técnica desenvolvida pelo marido McGyver para não fazer sujeira muita na hora de furar a parede. Basta colar uma sacolinha com fita crepe próximo ao local onde será feito o furo. 95% da sujeira cai nela, eu garanto.

20 de jun de 2012

Bolo de banana e o SESI

O SESI, onde estudei grande parte da minha vida escolar, me deixou muitas boas lembranças. A polenta da merenda, que eu repetia sempre; as brincadeiras de queimada na aula de educação física; o bebedouro comunitário e a lenda de que alguém ali havia engasgado e ficado roxo com bala Soft; os amigos, dos mais diversos, a quem eu podia sempre recorrer para lixar meus trabalhos em madeira nas aulas da dona Amélia; o carrinho de doces da esquina; os agasalhos Adidas azul, que nem sabia que seriam fashion; o cabeçalho de cada trabalho com o tal Centro Educacional SESI, a cidade, a data... Entre todas estas recordações também está o livrinho de receitas do SESI, um xerox simples, grampeado, com aquelas receitinhas de gerações que funcionam. A deste bolo de banana é uma delas, receita sem truques para aqueles dias de nostalgia - ou não.

O que usar::
- 8 bananas nanica grandes e maduras;
- 3 ovos;
- 1 xíc. de óleo;
- 2 xíc. de açúcar;
- 2 xíc. de farinha de rosca;
- 2 col. (chá) de fermento em pó;
- canela para polvilhar.

Como fazer:
Antes de começar, ligue o forno a 180 graus. Bata no liquidificador ou na batedeira as bananas amassadas (reservo duas para deixar em pedaços na massa), 3 ovos inteiros, óleo e açúcar peneirado. Em uma tigela, junte a farinha de rosca, bananas em pedaços e o fermento. Despeje a mistura em forma untada e leve ao forno por cerca de 40 minutos. Polvilhe com açúcar e canela. Se quiser, use ainda mais banana em rodelas para decorar o bolo.

18 de jun de 2012

Urso do dente


O que faz uma mãe com um bebê recém-nascido em casa? Tem gente que come e dorme e, quando dá tempo, lava o cabelo, mas tem outras pessoas, como a Andrea, que faz ursos do dente para os filhos dos primos. A mãe do Mathias e da Martina decidiu confeccionar esses ursinhos lindos para as crianças, uma espécie de fada do dente na versão ursa. Lola e Anita garantiram os seus e a mãe delas amou! =)
Quando o dente da criança cai, ela o coloca no bolsinho do urso. No outro dia, o urso a retribui com uma moedinha ou outro presentinho. A ideia veio do site da Martha Stewart, sempre ela, que traz o passo-a-passo para qualquer mãe prendada reproduzir o ursinho para os filhos ou para os filhos dos amigos. O molde do ursinho fofo também está disponível aqui.
Lá no alto, os ursos da Anita e da Lola e a turma toda confeccionada pela Andrea. Acima, os da Martha Stewart. Iguais, né?

15 de jun de 2012

Festa de dragão do Gabriel

Sempre leio por aí matérias de pessoas que transformaram seu hobby em profissão. Até já entrevistei algumas delas, com histórias bem bacanas. Mas, semana passada, a Ká, minha amiga de longa data, me contou a história da Liva, uma grande amiga dela. A Liva, como a Kamila, é médica, mas descobriu uma nova faceta assim que seu filho Vítor fez 1 ano.
A festa do Mickey que ela fez para ele (em breve por aqui) fez tanto sucesso que, quando acabou, ela já estava cheia de encomendas - e decidiu encará-las. Esta festa linda e original, que tem como tema o dragão, é sua estreia profissional como decoradora -e sua segunda festa! Quando recebi as fotos não acreditei, muito bacana.
Para montar o castelo que enfeita a mesa, ela fez caixas de MDF (um tipo de madeira, prensada) e usou papeis de scrapbook. Os brinquedos, claro, são da coleção do aniversariante.
A mesa, além do castelo e dos brinquedos, foi decorada com docinhos em diferentes tipos de embalagens: panelinhas, copinhos, bisnagas, potinhos, tubinhos etc, tudo com referências ao tema da festa. 
Prendada que só, ela ainda confeccionou túnicas de feltro para os meninos em duas cores: vermelha e preta, uma com uma coroa aplicada e a outra com um dragão. O aniversariante ainda ganhou uma coroa especial.
As meninas não ficaram de fora da brincadeira e ganharam varinhas de princesa. Abaixo, detalhe das túnicas. A festa ficou um arraso, não? Parabéns, Liva! Para você e para o Gabriel.

13 de jun de 2012

Paçoquinha de colher

Chega junho e, com ele, aquela vontade de comer paçoquinha, pé de moleque, milho verde, pinhão, bolo de fubá, doce de abóbora, arroz doce... Se já dá vontade em condições normais de temperatura e pressão, imagine grávida? Já tinha visto a receita de paçoquinha de colher na Revista Casa e Comida há um tempinho, mas só quando virei a folha do calendário é que me lembrei dela. Simples que só, a receita é uma delicinha, mata a vontade de comer doce e ainda um truque para aqueles dias que você quer fazer uma sobremesa para a visita, mas está com uma preguiiiiça. A apresentação foi bem brejeira, em copinhos de pinga. E viva Santo Antonio!

Paçoquinha de colher
Rende 10 copinhos
O que usar:
- 1 lata de leite condensado;
- 1 col. (sopa) de manteiga;
- 1 gema;
- 1/2 xíc. de amendoim sem casca torrado e moído grosseiramente (usei um pouco mais e ainda guardei alguns para decorar os copinhos);

Como fazer:
É como fazer um brigadeiro. É só juntar todos os ingredientes em uma panela, deixar ferver - sempre mexendo. Quando a mistura mudar de cor e encorpar, ou começar a aparecer o fundo da panela, está pronto. Coloque em copinhos pequenos, como os de pinga que usei, e pronto.

10 de jun de 2012

Bala japonesa e os anos 80

Naqueles tempos sem cintos de segurança, cadeirinha e bebê conforto, viajávamos todas soltas na caravan do meu pai, eu e minhas três irmãs. A caçula, Fafá, ia no meio das pernas da Mari e da Gabi e eu, muitas vezes, no porta-malas, onde meu pai colocava um colchão para fazer uma caminha. Na estrada, saía e voltava para o porta-mala inúmeras vezes; minha irmã mais nova ia para o banco da frente com minha mãe outras tantas e nenhum guarda nunca mencionou prender os meus pais. Loucuras dos anos 80.
Viajávamos para Cabo Frio, para o Sul, para Ubatuba e Guarujá e, em uma destas viagens, meu pai ao volante, pelo retrovisor, notou que a Mari, a mais prendada das minhas irmãs, estava ficando roxa. Culpa da balinha japonesa comprada minutos antes em um posto de gasolina. Com a delicadeza que lhe é peculiar até hoje, conseguiu em um movimento ninja segurar o volante com uma mão e, com a outra, um belo tapa nas costas da Mari. Mari sobreviveu, mas a balinha nunca mais foi encontrada. Desde então, as balinhas japonesas foram amaldiçoadas em casa. Bala Soft podia, mas a japonesa não. Loucuras dos anos 80.
* Tudo isso porque semana passada o marido apareceu com este vidrinho em casa, cheio de balas "japonesas" feitas no Rio de Janeiro. Agora me pergunto: por que eu e o povo de casa chama essas balas de japonesas? Essas nipônicas fajutas da foto são da carioca Galo Doce.

8 de jun de 2012

Bolo de cenoura da Tia Maria

"Chove, mas como chove. Chuva, chuvisco, chuvarada. Por que que chove tanto assim?
Quando chove, a terra fica molinha; a grama fica verdinha e eu fico todo molhado, com o pé na lama e meu nariz tapado. Minha vó me chama: 'Menino, vem cá vem tomar chá. Vem comer bolo de cenoura com cobertura de chocolate quente'"
É só a chuva persistir para minha música preferida do Cocoricó grudar na minha cabeça. E daí que eu fico cantando e só pensando no bolo de cenoura com cobertura de chocolate quente. Há dias a chuva não para e não teve jeito, tive de ir para a cozinha fazer um bolinho - e aproveitar para esquentar o ambiente com o forno ligado. A receita que queria reproduzir era da minha querida Tia Maria, cozinheira de mão cheia, especialista em feijoada, bacalhau, bolos de cenoura e afins. A receita eu tirei do caderninho dela, que, além da receita, tem algumas obervações. Nesta receita do bolo, por exemplo, está escrito: bom. Mas, tia, não é bom. É bom, muito bom, muito mais do que bom, é excelente.
Bolo de cenoura da Tia Maria
O que usar:
Massa
- 4 cenouras médias;
- 1 copo (requeijão*) de óleo;
- 3 ovos;

- 3 copos (requeijão) de açúcar;
- 3 copos de farinha de trigo;
- 1 col. (sopa) de fermento em pó;

Cobertura
- 5 col. (sopa) de açúcar;
- 5 col. (sopa) de leite;
- 2 col. (sopa) de chocolate;
- 1 col. (sopa) de margarina;
- 1/2 lata de leite condensado;

Como fazer:
Massa: Bata no liquidificador os três primeiros ingredientes: óleo, cenouras picadas e ovos. Reserve. Na batedeira, junte o açúcar e a farinha de trigo peneirada com a primeira mistura feita no liquidificador. Bata até a mistura ficar homogênea. Junte o fermento sem bater. Coloque em forma untada e leve ao forno pré-aquecido por cerca de 40 minutos.

Cobertura: Junte todos os ingredientes em uma panela e deixe ferver até dar ponto de caramelo.
*Dicas*
- Antes de começar a receita, já ligue o forno;
- Sempre peneire os ingredientes secos;
- O tempo de forno pode mudar de acordo com a forma utilizada (e dependendo do forno). Como optei por uma forma de furo, mais alta, o bolo demorou 50 minutos para assar em forno médio;
- Sempre faça o teste do palitinho. E só tire o bolo do forno se o palitinho ou a faca saírem secos;
- * 1 copo de requeijão corresponde a 1 xíc. + 1/3 de xíc.

7 de jun de 2012

Compras no exterior pela internet

A falta de tempo, a vontade de economizar uns cobres e aquela sensação de que a grama do vizinho é mais verde do que a nossa me fizeram comprar quase toda a decoração do quarto da Anita pela internet, em sites gringos. Confesso que nunca havia comprado em sites internacionais, muito por medo, e testei três formas de receber a encomenda. O ideal, sem dúvida, é você ter um endereço no exterior, seja para buscar a compra quando for até lá ou para pedir para a pessoa depois colocar a encomenda no correio novamente - sem as devidas etiquetas e notas fiscais (muito feio dar esta dica aqui?). Abaixo, listei cinco tópicos sobre o assunto, para quem quer se arriscar nesta vida de compras online mundo afora.
Tenha paciência. É claro que é mais legal ir até uma loja, tocar no produto e sair de lá com uma sacola, mas a internet te dá um mundo de opções. Para encarar a compra, no entanto, a principal regra é ter paciência, pois muitas vezes ela demora para chegar. Fiz três testes distintos, uma das compras enviei para a casa da minha irmã na Espanha e, quando estive lá, peguei. A outra também pedi que entregassem lá, mas ela chegou quase três semanas depois - e minha irmã enviou ao Brasil. A terceira compra enviei para o Brasil e demorou quase dois meses para chegar. O melhor é abstrair e se programar com antecedência.

O custo do frete. Muitos sites não enviam para o Brasil, só para Estados Unidos e Europa. Por isso, tem de pesquisar. Em uma das lojas que comprei, o frete para o Brasil era de mais de 80 euros, inviável. Mas em outra, era de US$ 15 dólares.

O medo do imposto. Os produtos são mais baratos no exterior, mas, ao desembarcarem no Brasil, você terá de pagar imposto sobre ele se sua compra - com taxas - ultrapassar os US$ 50. Duas compras que fiz acima de US$ 50 chegaram em casa ilesas, sem taxas, mas a terceira passou pela Polícia Federal e tive de pagar imposto, que é sempre uma surpresa. No caso, o imposto, acredite, chegou a 100% do valor da compra. Se conseguir, o ideal é dividir a compra para que ela não ultrapasse os US$ 50.

Monitore suas encomendas. O fornecedor, na maioria das vezes, passa junto com o OK da compra um número para que você possa rastrear a sua compra, uma forma de diminuir nossa ansiedade. Dica da Laura Corradi, do Pétalas e Paetês, uma compradora online compulsiva, que já comprou produtos até em sites polonês e japonês (!) e que agora também vende online: Salve o número do rastreio no aplicativo Katapakote no Iphone, assim você tem mais segurança e não fica tão tensa.

O truque do presente. Talvez seja uma dica ilegal, mas achei boa a dica, também vinda da Laura. Às vezes, é possível fazer a compra e pedir para que o fornecedor envie o produto como presente, assim fica mais difícil te taxarem no Brasil.
* Aceito mais dicas de compras online mundo afora!
** Com a alta do dólar, é preciso fazer mais contas para ver se vale ou não a pena comprar no exterior. Para mim, mais do que a economia, o que me atrai é a diversidade de produtos e aqueles produtos lindos que não encontramos por aqui...

6 de jun de 2012

Três sites de tecidos importados

Se para o enxoval da Lorena eu optei por tons mais suaves, no da minha segunda filha tudo o que eu queria eram estampas. Encasquetei que queria tecido estampado, alegre, sem motivos infantis. São Paulo pode ser uma grande metrópole, mas difícil encontrar por aqui tecidos bacanas a preços acessíveis. Por isso, a saída foi pesquisar - e muito - na internet.

O primeiro passo foi fuçar o Etsy. Muitos tecidos vendidos por lá têm o nome do designer, daí um Google te leva para o site da pessoa que, com sorte, vende para pessoa física e entrega no Brasil. Abaixo, a minha escolha e outras duas boas dicas.
Monaluna - Fresh. Organic. Fabric - Foi na Califórnia que encontrei os tecidos que queria. Nem sei como cheguei ao Monaluna, mas quando cheguei, meus olhos brilharam. As coleções são lindas e, melhor, conversam entre si. Ou seja, se você escolhe um tecido da coleção pode coordená-los com os outros, mesmo não tendo capacidade para isso. Os tecidos demoraram quase dois meses para chegar, mas vieram bem embalados, com cartão de agradecimento escrito à mão; um charme só. Coincidências à parte, depois descobri que a Monaluna fornece tecido para a Wild Things, do Reino Unido. Era para ser tudo meu - tanto o tecido como os vestidos... =)
Michael Miller Fabric - É um dos sites com maior variedade que encontrei. Na feira BabyBum, em São Paulo, vários estandes tinham produtos com tecidos Michael Miller. No Etsy também é possível encontrá-los e confesso que fiquei balançada por este trio cinza coordenado. A estampa de coruja - Swedih Owl - é demais!
Alexandre Henry Fabrics - Foi um desafio encontrá-lo. Havia amado um tecido deste designer em uma loja de São Paulo e, mesmo sem o nome dele, o encontrei. Mas ele estava esgotado. No site há opções mais diferentex e espalhafatosas. Vale fuçar. 
* A Claudia, uma amiga e leitora do blog, deixou mais uma dica nos comentários. Vale a visita no Spoon Flower, que também faz estampas lindas!

5 de jun de 2012

Bacalhau na nata

Em datas especiais rola aquela indecisão de o que cozinhar. Na maioria das vezes, o prato único é a melhor saída, por não dar muito trabalho. No Dia das Mães a Mari, minha irmã prendada, decidiu fazer esse bacalhau na nata delicioso. A receita é de um português conhecido dela e é boa porque dá para fazer o pré-preparo dias antes e vai ao forno, o que lhe dá certa mobilidade para dar escapadinhas da cozinha. Eu nunca tinha comigo e adorei. Receita leve e deliciosa. Para dias especiais por natureza ou para fazer de um dia comum especial. Ass.: blogueira filósofa.

Bacalhau na nata
Para 12 pessoas
O que usar:
- 1,5 kg de bacalhau (pode ser já em lascas);
- 1 kg de batata;
- 4 latas de creme de leite;
- azeite;
- 2 cebolas grandes;
- 3 caixas de molho branco pronto ou 2 col. de manteiga + 2 col de farinha de trigo + 2 xíc. de leite;
- noz moscada;
- folhas de louro;
- sal a gosto;
- parmesão ralado para finalizar;

Como fazer:
1. Dessalgue o bacalhau. Ou seja: dois dias antes coloque o bacalhau em uma vasilha com água e o deixe na geladeira. Troque a água a cada dia. No dia que for fazer o prato, ferva o bacalhau - e despreze a primeira água. Afervente novamente até ele ficar macio. Deixe esfriar e o desfie grosseiramente;
2. Refogue as lascas de bacalhau no azeite e em uma cebola picada;
3. Cozinhe as batatas e as corte em rodelas grossas;
4. Prepare um molho bechamel: derreta a manteiga em fogo médio, acrescente a outra cebola ralada, junte a farinha de trigo mexendo sempre. Acrescente o leite, folhas de louro, noz moscada e sal a gosto. Por fim, as latas de creme de leite sem soro;
5. Em um refratário, disponha uma camada de batatas, bacalhau em lascas, batata, bacalhau. Cubra com o molho, deixando-o penetrar até o fundo do refratário. Salpique com parmesão e leve ao forno até gratinar.