9 de ago de 2011

Casa Praia

As matérias de turismo já publicadas sobre Santo André, na Bahia, invariavelmente falam que a praia é a nova Trancoso, que alia com o mesmo esmero o rústico e o chique, que, de Trancoso, só não tem os altos preços, blá, blá, blá... Mas o que sempre me chamou atenção não foram as comparações entre as duas, que ficam a cerca de 80 km de distância, mas o fato de em Santo André ter um restaurante tão interessante como o Casa Praia. Já no primeiro dia, ligamos para fazer a reserva. E que delícia. O Casa Praia pertence a dois argentinos, Pablo e Amadeo, que saíram de Rosário, na Argentina, onde tinham um restaurante charmosésimo, para trabalhar em uma pousada em Santo André. O problema é que não se via o mar da cozinha e, portanto, que vantagem eles tinham em morar na praia? Foi aí que eles acharam uma casa abandonada e, aos poucos, foram a transformando em um dos lugares mais acolhedores de Santo André. Com direito, é claro, a uma cozinha com vista para o mar.
Tudo isso eu sei porque eles nos contaram e também porque eles mantém na sala, ou melhor, no salão do restaurante, álbuns com a história deles. As memórias também estão no cardápio, que mais parece um livro de anotações de viagens. O chutney que comeram na Índia, o assado da Argentina, pratos da Grécia, Espanha, Malásia... Todos os sabores degustados por eles servem como base para uma cozinha criativa e deliciosa. Enquanto Amadeo fica na cozinha, Pablo serve o salão. E que salão. Louças de antiquário são misturadas com objetos tão simples como a casca torcida das árvores, aquela que eu adorava pisar quando criança e ouvir o "crec". A casca vira porta guardanapo, o chapéu de palha, cúpula de luminária, o bambu, capa do cardápio e assim por diante.
A minha vontade era voltar todos os dias ao restaurante e degustar todo o cardápio, escutar por mais tempo a seleção musical fantástica que eles têm e deixar a Lorena rolar ainda mais no chão com a Odara, a rotweiller deles... Mas seria meio insano. Na nossa primeira visita fomos super contidos e provamos apenas alguns pratos, como o Satay, espetinho de legumes com ares da Indonésia, acompanhado de chutney de manga (que deveria ser vendido em vidros de compota!).
O marido disse que esse peixe na folha de bananeira recheado com coco fresco e gergelim, acompanhado de chutney de cenoura, gengibre e passas foi o melhor que ele comeu nos últimos tempos. Foi até cansativo ficar ao lado e escutar os tantos humms-humms que ele fazia.
O meu arroz de camarão também estava incrível, com um toque apimentado delicioso.

* Lá no alto, o chef Amadeo. O Pablo, arquiteto e artista plástico, fica servindo o salão. A dupla é tão simpática que dá vontade de pedir para ser amigo deles. Eles dizem, aliás, que o restaurante é uma casa de amigos. Eu me senti tão à vontade que acho que da próxima vez vou pedir para ser amiga.
** O Casa Praia é o restaurante mais caro de Santo André, os pratos custam cerca de R$ 40 (caro padrão baiano, né paulistas!). Tem, além de pescados, pizzas caseiras e carnes argentinas. É, sem dúvida, uma das melhores coisas de Santo André.

Um comentário:





  1. When I took possession of the Rolex Submariner,a couple things jumped out at me. First, and this is always nice to find, it had its original Origina Replica Breitling Twinlock crown (Triplocks came later at around the 3M serial number). So many 1:1 Replica Rolex Watches have lost their original crowns to Triplocks along the way,In a weird twist of irony, the Omega Watches Robert-Jan wrote about from this year’s Baselworld contained a Cyclops for the first time in its history. Hermes handbags , in its self-pronounced desire to push innovation.

    ResponderExcluir