28 de jun de 2011

Cervejaria São Jorge

Se o projeto de revitalização do centro de São Paulo, de fato, existe, se ele é bom ou ruim eu não sei, mas sei que, durante os dois dias que estive por lá, me senti segura e vi muitos policiais. Em cada ponto turístico tinha uma viatura e, acredite, alguns turistas com máquinas fotográficas penduradas no pescoço. Fomos ao centro por causa da exposição do Escher, artista que o marido ama. Foi muito legal ver a fila do lado de fora do CCBB e mais ainda ver as obras do artista (em cartaz até dia 17 de julho!).
Bom, fui ao centro por causa do Escher, mas, possivelmente, vou voltar por causa da Cervejaria São Jorge. É, até em passeio de família cabe uns bons choppinhos. Pelo que eu sei, até pouco tempo a cervejaria chamava-se Salve Jorge, como as dois botecos do Itaim Bibi e da Vila Madalena. Eu não sei agora se o pai de todas as crianças é o mesmo, mas o que importa é que a criança está bem cuidada. O bar fica em frente à Bolsa de São Paulo, no térreo de um prédio comercial. Na verdade, no térreo, no subsolo e no mezanino do edifício. Aos sábados, mesinhas se espalham pelo calçadão também.
A decoração é naquela estilo cacarecos. Atrás do balcão de chopp Brahma (R$ 5,10) cremoso, garrafas, engradados, rádios, caixas e garrafas de leite antigos. Nas paredes, quadros com caricaturas de diversos "Jorges", capacetes antigos, extintores idem. No teto, canaletas com centenas de garrafas de cerveja penduradas e lustres lindos. O lugar já impressiona pela decoração. Até o banheiro é bacana, com um painel de azulejos da artista Calu Fontes (se não estiver enganada), fotos do Rei Pelé e fitinhas de santos.
Ok, o banheiro de um boteco é parte importante do negócio, mas o cardápio também. Por lá, pratos de mãe - ou de vó, como a carne de panela de vó - dão água na boca. Para petiscar, fomos de linguiça aurora refogada com cebola, pimentão, tomate e pimenta biquinho. Depois da "entrada", feijoada de sábado (R$ 29) no prato. Dizem que a porção é individual, mas eu recomendo dividi-la. Além da feijoada, que vem em uma cumbuca, no prato tem arroz, couve refogada, um belo pedaço de carne de porco, farofa, mandioca frita, torresmo, banana frita e, de quebra, um pastelzinho! Tudo delicioso.
Aos sábados também tem apresentação de um grupo de chorinho. Os gringos, turistas oficiais, e os paulistanos, turistas oportunistas, aprovaram a música. Para quem gosta de pinga, duas páginas com diversas opções. A caipirinha vem acompanhada de picolé de frutas. Não provei, mas achei deliciosa! =)
A Cervejaria São Jorge já foi premiada como um dos melhores happy hour da cidade e funciona de segunda a sexta, das 11h30 às 23 horas, e, aos sábados, das 11 às 18h30. Mas para se sentar nessa janelinha aí é bom fazer uma reserva.

Um comentário: