7 de set de 2011

NY e a comida de rua

Eu não fui a nenhum grande restaurante de Nova York, os mais bambambãs ou estrelados. Mas comi muito bem e achei os preços ótimos. Já falei sobre isso nos comentários do post do Eataly: ultimamente, quando se vive em São Paulo, qualquer lugar do mundo passa a ser até barato. E nessa conta, Nova York sai na frente por outro motivo: tem muitas opções de comidas de rua. Ok, São Paulo também tem, mas eu, ao menos, nunca me atrevi a provar o churrasco grego do centro. Mas lá em NY, brincando de turista, comecei a ver os "carrinhos" que tinham as maiores filas e entrei na maioria delas. =)
O marido esteve em Londres ano passado e voltou falando sobre o Rei do Falafel que existe lá, por isso, apesar de estar sem fome quando cruzei a região de Wall Street, não resisti a provar esse sanduba aí. Ali ao redor da Trinity Church tem vários carrinhos de comida - com vários executivos na fila (parece confiável, vai?). Olha, juro que não estou sendo exagerada, mas o sanduba do Sam's Falafel foi uma das coisas mais gostosas que comi na viagem. Eu na fila só fiquei sacando e, claro, pedi o sanduíche com tudo o que eu tinha direito: pão sírio com babaganuche, hummus, tomate, cebola caramelizada, as bolotas de falafel... por $ 4 dólares. Os mais famintos podem optar por um marmitão. De uma forma ou de outra, após pegar a comida é só continuar reproduzindo os hábitos dos nova-iorquinos. Se sentar nos muitos bancos da praça e se acabar de comer! Delícia.
Carrinhos e trailers de cachorro-quente, cookies e cupcakes (fofos!) têm muitos, mas a indicação do "melhor hot dog de Nova York", dada por vários amigos, era o Gray's Papaya, que tem vários pontos espalhados pela cidade. Passamos por um quando passeávamos pelo Upper West Side e, a mesma história, nem fome tínhamos, mas precisávamos provar o dogão. Eu não sei se eu escolhi errado, mas o que me pareceu mais diferente foi esse dog com repolho e, ok, gostosinho, tem mostarda escura à vontade, mas nada sensacional. O suco de mamão, característico do lugar, eu pulei. É um lugar muvuca e, apesar do broche Polite New Yorker dos atendentes, eles não são lá muito polites...
É claro que não poderia sair de NY sem uma grande experiência de hot dog, então minha busca continuou. No último dia de viagem, ao descer as escadas do Metropolitan Museum (lindo!), demos de cara com uma mini-fila em outro carrinho de cachorro-quente. Era a hora. Minha comparsa sucumbiu ao quejo cheddar bem molenga e eu que adoro uma pimenta, escolhi o cachorro quente com chili.
Confesso que na hora olhei para o cachorro-quente com chili com carne e achei bizarro. Salsicha com carne moída e pimenta! Mas estava di-vi-no. Bem picante, não é um hot dog para iniciantes, mas é mega bom. Com uma coca-cola bem gelada, sentada na escadaria do Met, com um sol lindo e um céu azul eu dei adeus para Nova York feliz da vida.

2 comentários:

  1. Rê, que saudade q fiquei de NY!!!! Sabe que nunca fui a NY no verão, ou melhor, fora do frio. Fui e outubro, abril e deazembro, ou seja, só friaca! kakakakaka
    Nunca comi cachorro quente com sol!!!!! Acho q preciso voltar! rs
    beeeeeeeeijo

    ResponderExcluir
  2. Ótimo motivo para voltar, Má. Comer cachorro quente ao sol é um grande motivo para vc voltar! =P
    Bjs!

    ResponderExcluir