3 de mai de 2011

Torta gelada de abacaxi e cookies

Nem só de revistas lindas vive a banca de jornal, não é mesmo? Pois essa receita deliciosa a Mari, a irmã prendada, garimpou em uma publicação desprovida de beleza, digamos assim: Delícias da Calu. Nem imagino quem seja Calu, mas essa torta gelada de abacaxi e cookies nos deixou bem felizes na Páscoa. Receitinha leve e refrescante!

O que usar:
-  2 pacotes de cookies de chocolate;
- 100 g de margarina;
- 2 abacaxis descascados e picados;
- 8 col. de açúcar;
- 1 litro de sorvete de abacaxi;
- 1 xíc. de creme de leite fresco;

Como fazer:
No liquidificador, triture os cookies e misture com a margarina até formar uma farofa úmida. Com a farofa, forre o fundo de uma assadeira com aro removível (22 cm de diâmetro). Asse durante 10 minutos no forno preaquecido a 180 graus. Deixe esfriar e reserve;
Em uma panela, coloque o abacaxi, misture com o açúcar e leve ao fogo brando, sem mexer, até o abacaxi ficar macio e restar pouca calda. Deixe esfriar;
Bata o creme de leite fresco em ponto de chantilly e misture com o sorvete de abacaxi. Coloque sobre a massa e leve ao freezer até endurecer;
Na hora de servir, espalhe o abacaxi por cima e desenforme.
* Segundo a Calu, de leve essa receita não tem nada. Cada uma das 12 fatias tem 413 calorias... Tipo, quase um Big Mac!

3 comentários:

  1. Nossa eu tenho várias dessas revistas e já fiz várias receitas, e dão certo!
    Essa torta parece bem boa!bjs

    ResponderExcluir
  2. Rê, adorei aqui tbem e ja estou te seguindo. Olha passei para te informar que foi selecionada uma receita sua e postada la no culinaria dos amigos, passa la e confere, espero que goste, mais estou a disposição se não aceitar também. Obrigada por fazer parte daquele nosso espaço. http://culinariadosamigos.blogspot.com

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Alcançar a essência dos sabores é entrar em sintonia com lembranças guardadas em arquivos que criamos para preservar nossas memórias mais tenras. O cheiro de quintal lá da infância da gente, o gosto do almoço caprichado aos domingos, as conversas com a mãe à beira do fogão, o café da manhã com pão quentinho, os sonhos partilhados, o cheiro de feijão cozinhando na panela, o aroma de erva colhida na hora, um finalzinho de tarde com encanto. Tudo isso é despertado quando conseguimos reproduzir o sabor de pequeninos gestos tecidos a luz do cotidiano de uma cozinha afetiva.

    ResponderExcluir